Busca

/ languages

Choisir langue
 

Benazir Bhutto é enterrada no Paquistão

Reportagem publicada em 27/12/2007 Última atualização 31/12/2007 15:18 TU

Milhares de pessoas acompanharam o caixão com o corpo da ex-premiê Benazir Bhutto(Photo : Reuters)

Milhares de pessoas acompanharam o caixão com o corpo da ex-premiê Benazir Bhutto
(Photo : Reuters)

A ex-primeira-ministra paquistanesa, Benazir Bhutto, foi enterrada hoje no mausoléu de sua família em Lankarna, no sul do Paquistão.

O caixão com o corpo da ex-premiê levou quase duas horas para percorrer cerca de 5km, antes de chegar ao imponente mausoléu de sua família, cercado de partidários, do marido, Asif Zardari, e de seus três filhos.

A multidão acompanhou o cortejo levando bandeiras com as cores verde, preta e vermelha, do Partido do Povo Paquistanês, de Benazir Bhutto.

Primeira mulher do mundo a governar um país mulçumano, a ex-premiê foi alvo de um atentado terrorista na periferia da capital Islamabad, nesta quinta-feira, durante um comício. Ela levou tiros a queima roupa de um homem que, em seguida, detonou os explosivos que levava no corpo.

O atentando desencadeou uma onda de violência no país. Bloqueando ruas, manifestantes incendiavam carros e gritavam palavras de ordem contra o governo do presidente Pervez Musharraf.

Segundo as autoridades, pelo menos trinta e duas pessoas morreram desde ontem. O governo decretou estado de alerta máximo e as forças armadas têm ordem para atirar para controlar as manifestações.

Os partidos de oposição no Paquistão estão pedindo o boicote das eleições legislativas de 8 de janeiro e querem a demissão do presidente Musharraf, que decretou três dias de luto.

O ex-primeiro-ministro paquistanês, Nawaz Sharif, convocou para hoje uma greve  geral em protesto ao assassinato. Ele declarou que o Paquistão está cavando sua própria destruição se as eleições não forem adiadas.

Benazir Bhutto é filha do primeiro presidente do Paquistão, Zulfiklar Ali Bhutto, que foi destituído em 1977 e executado dois anos depois. Benazir, que fez seus estudos na Universidade de Oxford, na Inglaterra, foi presa e viveu exilada até 1986. De volta ao país, ela assumiu a direção do partido socialista e, em 1988, se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo de primeiro-ministro em um país muçulmano.

Sua morte provocou reações do mundo inteiro. O presidente francês Nicolas Sarkozy condenou o “ato odioso” e, em carta enviada ao presidente Musharraf, argumentou que as eleições legislativas de 8 de janeiro são mais que nunca indispensáveis.

O presidente americano George W. Bush, um aliado de Musharraf, acusou os terroristas de estarem “minando a democracia paquistanesa”. Condenações ao atentado vieram também do governo da China, do presidente russo Vladimir Putin, dos governos da India, do Afeganistão, do Iraque, do Egito, da Grã-Bretanha, da Alemanha, da Itália, do Brasil, da União Européia, do Conselho de Segurança das Nações Unidas e da Organização da Conferência Islâmica.

A morte de Benazir Bhutto também afetou o mercado de petróleo. Em Nova Iorque, a cotação do barril voltou a subir, atingindo o patamar de 96 dólares e 62 centavos. O Paquistão não produz petróleo mas seu litoral no mar de Oman, onde trafega o petróleo do Irã, é motivo de preocupação.

Diversos países estão desaconselhando viagens ao Paquistão.

Para o jornalista Carlos Lagoeiro, que esteve recentemente no Paquistão, o país vive dividido entre um modelo moderno ocidental e um modelo mais antigo, ligado à questão religiosa. 

AUDIO

Carlos Lagoeiro

Jornalista


"Agora eu não sei como fica a posição dos Estados Unidos no país, porque eles estavam apoiando muito, exatamente, a volta de Benazir Bhutto ao poder, numa dobradinha com o atual presidente Pervez Musharraf."

Repórter on line

França/Regionais

Jean-Paul Houchon, candidato do Partido Socialista, Cécile Duflot, do grupo Europa Ecologia, e Pierre Laurent, da Frente de Esquerda, durante comício em Paris.Foto: Reuters

Direita se mobiliza para o segundo turno das eleições regionais

A dois dias do encerrramento da campanha eleitoral para o segundo turno das eleições regionais na França, a direita do presidente Nicolas Sarkozy tenta conquistar os eleitores indecisos.

19/03/2010 12:39 TU

Espécies ameaçadas

A proibição das exportações do atum vermelho não foi aprovada em Doha.Foto: Reuters

Japão livra o atum vermelho da lista de espécies ameaçadas

O Japão comemorou a rejeição da proposta de interdição do comércio internacional do atum vermelho, na 15ª Conferência das Partes da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Selvagens Ameaçadas de Extinção (Cites).

19/03/2010 11:43 TU

Oriente Médio

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e o ministro das Relações Exteriores, Sergueï  Lavrov.Foto: Reuters

Quarteto pressiona Israel a congelar a colonização nos territórios palestinos

Reunidos em Moscou, representantes de Estados Unidos, Rússia, União Europeia e Nações Unidas incitam Israel a "congelar" a colonização judaica nos territórios ocupados e a demolir todos os postos de controle construídos nos últimos nove anos.

19/03/2010 11:26 TU

Suíça/Basel World

A Basel World é o maior evento mundial de relojoaria e joalheria de luxo.Foto: Reuters

Abre na Suíça o maior salão de relógios e joias de luxo do mundo

Depois da crise de 2009, que registrou uma queda de 22,5% na venda de relógios de luxo, o setor começa a ver uma luz no fim do túnel.

18/03/2010 16:34 TU

Brasil/Oriente Médio

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim.Foto: Reuters

Depois da Jordânia, Amorim anuncia viagem surpresa à Síria

19/03/2010 12:02 TU

Grécia/Crise

O Primeiro-ministro grego George PapandreouFoto: Reuters

Ministros das Finanças da UE decidem pacote de ajuda à Grécia

18/03/2010 10:56 TU

Lula/Oriente Médio

O presidente Lula com o presidente palestino Mahmoud Abbas Foto: Reuters

Lula diz que Brasil pode ser "voz que faltava" no conflito

19/03/2010 11:33 TU

França/Regionais

Após primeiro turno das regionais, partidos de esquerda e Verdes se unem na França para derrotar direita de Sarkozy.  Foto : Reuters

Partidos de esquerda e verdes se unem para derrotar direita do presidente Nicolas Sarkozy

16/03/2010 13:51 TU

Brasil/Israel

"Antes de meter a colher, Brasil precisa conhecer a fundo o conflito israelo-palestino", afirma analista

16/03/2010 11:06 TU

Brasil/ Israel

Os presidentes Lula, do Brasil e Shimon Peres, de Israel. Foto: Reuters

Lula defende estado palestino e diz ter o "vírus da paz"

16/03/2010 10:55 TU